Solidariedade quer volta da Previdência Social a Ministério

Genecias Noronha e Paulinho da Fortça
Genecias Noronha e Paulinho da Fortça

O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), e o líder da bancada na Câmara Federal, deputado Genecias Noronha (CE), protocolaram uma emenda à Medida Provisória 726/16 que dispõe da reorganização dos Ministérios, propondo que o Ministério do Trabalho e Previdência Social voltem a ser unificados.

“Após longa reunião com representantes da Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social (Anasps) e da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (COBAP), discutimos a junção dos Ministérios do Trabalho e da Previdência. O Ministério da Fazenda tem atividades incompatíveis com as necessidades dos aposentados e pensionistas”, explica Paulinho da Força.

“Nosso objetivo é devolver ao Ministério do Trabalho a competência de garantir o direito dos trabalhadores e aposentados. A Reforma da Previdência é extremamente importante e, ainda mais, delicada. Não podemos errar pois estamos lhe dando com a dignidade do brasileiro que trabalhou durante a vida toda e tem o direito sagrado de receber integralmente o que pagou e envelhecer com dignidade”, finaliza Genecias.

Incorporação

Pelo novo desenho da Esplanada dos Ministérios, a pasta da Previdência será parcialmente incorporada ao Ministério da Fazenda. O antigo ministério foi desmembrado por Temer, com o objetivo de deixar a reforma da previdência nas mãos de Henrique Meirelles. O INSS foi transferido para o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, comandado pelo peemedebista Osmar Terra.

Outros órgãos da Previdência, que teve a palavra “Social” retirada do seu nome oficial, vão ficar sob o comando de Meirelles. Entre eles, a Dataprev (empresa de tecnologia da Previdência), o Conselho Nacional de Previdência e a Previc (Superintendência de Previdência Complementar). A projeção oficial do governo é que o déficit da Previdência passe de R$ 86 bilhões, dado do ano passado, para R$ 168 bilhões em 2017.

Fonte: O Estado CE